quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Era uma vez...


“Uma noite” em que pouco se apostava, mas que, em pouco tempo, se transformou em relacionamento, que o “querer sempre mais” crescia a cada dia, a cada encontro! Muito medo, restrições, etc, foram obstáculos. Mas a cada encontro, a cada olhar, a cada mensagem, a cada ligação, a cada beijo, a cada abraço e a cada toque, tudo isso eram mais motivos para retirar cada obstáculo e vivenciar tudo aquilo que era tão recíproco!

Tudo passou a ser mais intenso...viagem, noites juntos...etc. E intenso se tornou também o sentimento (que antes era medo). E o Sentimento começou a necessitar sempre dessa mesma Intensidade...

Mas a Intensidade, diferente do Sentimento, começou a não ser a mesma: finais de semanas, que antes eram quintas, sextas, sábados e domingos, passaram a ser somente sexta e domingo, ou somente sábado, ou somente sexta!

Então, a partir daí Sentimento e Intensidade começaram a se desentender: Sentimento, tão intenso, quis cobrar Intensidade como antes. Mas Intensidade, já subtraída, não saciava as cobranças de Sentimento...

Mas Sentimento é insistente, e aceita Intensidade subtraída, com esperança de multiplicá-la novamente.

E Intensidade, cada vez menor, mantinha Sentimento intenso por sempre alimentar a esperança de que não era menor, de que permanecia igual. E assim, Sentimento se contentava e esperava, novamente, que Intensidade lhe fosse parceira.

Até que, cansado, Sentimento resolveu sentar-se para esperar Intensidade. Mas Intensidade foi a zero e Sentimento se levantou a procura de Intensidade, que disse não ter sumido e nem esquecido de Sentimento. E Sentimento, contente por ter reencontrado Intensidade, aguardou ansioso para darem as mãos e seguirem juntos como sempre desejou.

Mas Intensidade não conseguiu compartilhar com Sentimento essa vontade de multiplicá-la. Sentimento agora vai deixar Intensidade, e voltará a temer sua presença!

Mas Sentimento é sábio e, por medo, sei que nunca deixará de ser intenso!





Raquel de Carvalho

4 contaram o que pensaram:

Eraldo Paulino disse...

Eu já estava habituado a teus textos concisos, mas fiquei muito impressionado com este teu poema, digamos, maior, que não nos permite perder o interesse a cada verso.

Bjs!

Raquel de Carvalho disse...

Obrigada, Eraldo! Sempre bom vc por aqui!!! Fico feliz que tenha gostado! Volte sempre! Bjos

Wania Victoria disse...

Raquel

Seria tão melhor se esta parceria desse certo, não é mesmo? Apesar da tristeza da separação, o Sentimento nunca deixa de ser intenso e, por isso, há de encontrar uma Intensidade que o acompanhe...



Teu texto me serviu como uma luva!
Obrigada pela partilha!

Bjão, amiga!

Raquel de Carvalho disse...

"Apesar da tristeza da separação, o Sentimento nunca deixa de ser intenso e, por isso, há de encontrar uma Intensidade que o acompanhe..."
>>> tenha certeza disso, Wania!
Fico feliz que tenha gostado! Volte quando quiser!
Obrigada!
Beijos